serv

TDT - Sondas de Monitorização



Mapa de sondas TDT Relatórios Sobre a ferramenta Sobre o projeto Ficha técnica




Definição da amostra para estudo de medição da cobertura TDT terrestre em Portugal Continental





DIMENSÃO DA AMOSTRA

De acordo com os dados provisórios dos Censos 2011 da população portuguesa, existem em Portugal Continental, cerca de 10 milhões de habitantes e cerca de 3,4 milhões de edifícios.1

No que respeita ao território geográfico, Portugal Continental tem uma superfície de cerca de 89 089 km2.

Considerando que se pretende avaliar a cobertura da televisão digital terrestre (TDT), proporcionada pela rede de frequência única ou SFN a emitir no canal 56, nas zonas do país em que essa cobertura existe, através da colocação de sondas nos edifícios selecionados e não em alojamentos familiares específicos, a unidade amostral a considerar são os edifícios em Portugal Continental com TDT por via terrestre. A principal razão que justifica esta opção prende-se com o facto da receção de TDT, num edifício, ser feita através de uma instalação coletiva, que distribui, de modo uniforme, o mesmo sinal recebido a partir de uma antena comum, proporcionando, por isso, o mesmo grau de qualidade. Como tal, parte-se do princípio de que uma família que habita um dado edifício, recebe o sinal de TDT com a mesma qualidade, independentemente do andar ou fração.

Nestas circunstâncias, uma única sonda replicará, de forma fidedigna, as condições de receção de qualquer uma das frações que integrem um mesmo edifício, sendo por si só suficiente e representativa da realidade inerente a uma multiplicidade de agregados familiares residentes nesse edifício.

A dimensão amostral necessária para obter uma amostra representativa de Portugal Continental, como variável explicativa os edifícios em Portugal, considerando um grau de confiança de 95% e um erro amostral de 5% é de 384. Conforme se demonstra na Tabela 1, melhorar o erro amostral exigiria um aumento considerável do número de sondas a instalar.



Tabela 1 – Dimensão da amostra, por erro amostral

Nota: considerando um grau de confiança de 95%


Importa referir que apenas se dispõe de dados para: (i) Portugal Continental e não para (ii) Portugal Continental com TDT via terrestre. No entanto, como o universo dos dados é muito elevado, a dimensão da amostra é idêntica, quer se usem valores associados a (i) ou a (ii).



ESTRATIFICAÇÃO DA AMOSTRA

Por se considerar que existem diferentes realidades ao nível da receção da TDT em Portugal (tais como maior densidade de edifícios em determinadas localidades), estratificou-se a amostra de 386 sondas (erro amostral: 4,99%), para garantir que as regiões com diferentes características estão representadas na amostra, de forma proporcional ao seu peso na população alvo (neste caso, o número de edifícios).

As sondas foram instaladas de acordo com a distribuição do número de edifícios por NUTS III, com base nos resultados do Censos (2011) do Instituto Nacional de Estatística.


Critério de Seleção dos Edifícios

Ainda que idealmente a seleção dos edifícios para colocação das sondas devesse ser realizada de forma aleatória, a ANACOM não dispõe de uma base de dados georreferenciada dos edifícios de Portugal Continental. Assim, reconhecendo-se que existe alguma perda em termos de aleatoriedade no que se refere à localização das sondas, utilizou-se um método dirigido, tendo-se recorrido a edifícios de entidades públicas para colocação das sondas.


Distribuição por NUTS III

A Tabela 2 e o mapa da Figura 1 refletem a distribuição da amostra por NUTS III, com base na variável de estratificação considerada, para um erro amostral de 5%.

 

Tabela 2 – Estratificação da amostra (erro amostral de 5%), por NUTS III, utilizando o número de edifícios


* Não coincide com aquele apresentado no corpo do documento, devido a arredondamentos à unidade.
** Sondas adicionais correspondentes à rede piloto de testes que foram posteriormente integradas na rede global de monitorização do sinal de TDT.

Fonte: ANACOM, com base em dados do INE – Censos da população de 2011.

Fonte: ANACOM, com base em dados do INE – Censos da população de 2011.
Figura 1 – Estratificação da amostra (erro amostral de 5%), por NUTS III, utilizando o número de edifícios



Distribuição por Distritos do Continente

A distribuição da amostra por NUTS III foi posteriormente reafetada pelos distritos do continente conforme apresentado na Tabela 3 e no mapa da Figura 2.

Tabela 3 – Estratificação da amostra (erro amostral de 5%), por distritos do continente, utilizando o número de edifícios

* Não coincide com aquele apresentado no corpo do documento, devido a arredondamentos à unidade.
** Sondas adicionais correspondentes à rede piloto de testes que foram posteriormente integradas na rede global de monitorização do sinal de TDT

Fonte: ANACOM, com base em dados do INE – Censos da população de 2011.

Fonte: ANACOM, com base em dados do INE – Censos da população de 2011.

Figura 2 – Estratificação da amostra (erro amostral de 5%), por distritos do continente, utilizando o número de edifícios



Recolha de Dados

Todas as sondas da rede de monitorização do sinal de TDT encontram-se em locais exclusivamente com cobertura terrestre e a medir o sinal disponibilizado pela rede de frequência única no canal 56, apesar de poder estar disponível uma alternativa através da rede multifrequência (MFN).

Foram instaladas 390 sondas, garantindo-se um erro amostral de 4,96%. No entanto, por razões de ordem técnica, algumas sondas poderão não estar disponíveis em permanência ao longo do período em análise, o que poderá originar uma ligeira degradação desse erro, em diferentes momentos temporais.




1 De acordo com a definição do INE, entende-se por edifício uma “construção permanente, dotada de acesso independente, coberta e limitada por paredes exteriores ou paredes-meias que vão das fundações à cobertura e destinada à utilização humana ou a outros fins.”